Dia Mundial do Autismo

O autismo é um transtorno de desenvolvimento que pode prejudicar a capacidade de se comunicar e interagir.

No início da semana foi celebrado o Dia Mundial do Autismo, data que serve para promover a conscientização a respeito do autismo, um transtorno de desenvolvimento que pode prejudicar a capacidade de se comunicar e interagir. A advogada Larissa Leal, com sensibilidade e lucidez, fez uma delicada crônica sobre a compreensão de uma criança autista pela família e a conquista de uma relação pautada no amor.

O MENINO DO GUARDA-CHUVAS AZUL

Quando o Samuel nasceu, ele logo ganhou, não se sabe de quem, um guarda-chuvas azul imenso. Pareceu estranho que alguém desse um guarda-chuvas a um bebê. Foi um mistério.
O Samuel cresceu, começou a andar, fez aniversário e, em um dia de garoa, aquele guarda-chuvas fez algum sentido.
O guarda-chuvas, tão bonito, tão azul, saiu junto com o Samuel, que logo apegou-se ao artefato e não o largava mais: era aquele azul todo para guardar-chuvas, guardar-sol, guardar-Samuel.
Foi em outro dia de chuva que os pais do Samuel notaram que aquele guarda-chuvas era diferente. Além de azul, todos os outros pareciam tão iguais…e o do Samuel era maior, lhe cobria os olhos, chegava até a esconder-lhe o rosto inteiro.
Sol e chuva, sol e chuva e o Samuel com o guarda-chuvas, que ficava cada dia mais azul.
Foi então que os pais do Samuel resolveram descobrir o segredo daquele guarda-chuvas, que agora estava sempre com o filho: em casa, nos passeios e até na hora de dormir.
Eles não lembravam quem tinha dado aquele guarda-chuvas para o Samuca, nem quando eles começaram a andar sempre de par.
De nada adiantava perguntar ao Samuel: ele simplesmente andava com o seu abrigo azul, como quem boceja quando está com sono.
Nunca lhes pareceu algo preocupante, até o dia em que choveu muito sobre toda a família e ninguém conseguiu abrigar-se junto com ele embaixo daquele imenso para-águas. Foi mais outro mistério difícil de explicar.
Então disseram aos pais do Samuel que poderia ser difícil convencê-lo a largar o guarda-chuvas ou deixar que outras pessoas o usassem.
Era mesmo um objeto muito estranho aquele guarda-chuvas!
Choveu muito sobre a família do Samuel durante três dias…foi o tempo de compreender que todas as pessoas têm os seus guarda-chuvas, inclusive a Rebeca, irmã do Samuel, mas que o dele merecia uma compreensão maior.
Até que um dia, os pais do menino sentiram que eles podiam não ver aquele aramado como uma barreira, mas como um abrigo onde poderia, SIM, caber todo mundo.


Os dias foram passando e os pais do Samuel aprenderam o segredo para entrar embaixo do guarda-chuvas azul: andar quase de joelhos, abaixo das suas hastes, porque os guarda-chuvas são como as pessoas, cada um com o seu tamanho e a sua cor.
E foi assim, devagarzinho, mas todo dia, que a Adriana, o Izac, a Rebeca e muito mais gente começou a buscar abrigo embaixo do estranho objeto, que foi diminuindo de tamanho e aumentando na altura.
Quanto mais pessoas entravam, menor e mais alto o guarda-chuvas azul ficava. Este seria mais um mistério, que não teria explicação, se toda essa história não começasse com o nascimento do Samuel e com o amor imediato que ele recebeu e, o mais importante, um amor maior e mais rápido que qualquer guarda-chuvas, azul ou não.
Agora, todos têm os seus guarda-chuvas, de várias cores. Mas em cada um deles, desfeito o mistério, cabe todo mundo.
E em dias muito especiais, como hoje, sem combinar, todo mundo sai debaixo de um mesmo guarda-chuvas azul, com ou sem chuva, para passear com o Samuel.
– O Samuel é filho da Adriana e do Izac, e irmão da Rebeca. Ele, ao seu modo, como convém a todas as pessoas, estuda, brinca e faz tudo que uma criança de sua idade faz.
O Samuel foi diagnosticado com autismo e, enquanto ele ficava sob um possível guarda/afasta-pessoas, sua família toda entrou na chuva pelo tempo que fosse necessário.
– Dois de abril é o Dia Internacional para a Conscientização sobre o Autismo, um transtorno de desenvolvimento que altera o modo das pessoas interagirem com o mundo ao seu redor, o seu comportamento e o seu modo de comunicar-se.
– A dificuldade de abstração é considerada a maior das barreiras de comunicação causadas pelo autismo.
E não há nada mais abstrato e sem limitação ou limitadores que o amor.
Ainda chove, claro, em alguns dias. Mas tanto o Samuel, como o Heitor, filho do Bruno Galindo e da Ana, e o Marcelinho, filho da Ivna Gadelha, para quem deixo essa mensagem, transcenderam no que é essencial: amam e são amados.
E essa transcendência está além até de si mesma.
Recebam, meus amigos, e todas as pessoas que convivem com o TEA, o meu amor e a minha disposição para estar com vocês sob sol e chuva, sempre.

Tags: